Fique bem informado com o JCN:

Política

40% dos brasileiros sofreram tentativa de ‘compra de voto’ nos últimos 5 anos

Publicado

em

Para os brasileiros, a corrupção é muito mais presente no topo da estrutura política do que nas relações do dia a dia. Esta é uma das conclusões de um levantamento realizado pela organização Transparência Internacional.

O Barômetro Global da Corrupção aponta que 11% dos entrevistados brasileiros afirmam ter pago propina para acessar serviços públicos básicos. É um número considerável, mas apenas Costa Rica e Barbados tiveram taxas inferiores. Na Venezuela, a proporção chega a 50%.

O diretor-executivo da Transparência Internacional no Brasil, Bruno Brandão, considera que o problema pode estar no topo da cadeia.

“Talvez o problema mais grave da corrupção no Brasil esteja no andar de cima, esteja nos processos de contratação pública, nas eleições, na promiscuidade que existe entre os poderes políticos e econômicos. E muito menos do que se pensa no cotidiano da população comum.”

Se há uma desconfiança no topo, a população considera que a base pode ajudar a mudar a realidade. Cerca de 82% dos entrevistados no Brasil acreditam que o cidadão comum pode fazer a diferença na luta contra a corrupção, seja alertando ou denunciando casos. A média regional é de 77%.

Por outro lado, a compra de votos permanece um problema importante no nosso país. Cerca de 40% dos entrevistados disseram que já lhes foi oferecido dinheiro para que eles apoiassem um determinado candidato nos últimos cinco anos.

A instituição ouviu mais de 17 mil pessoas em 18 países da América Latina e do Caribe.

Compra de voto é crime e pode levar candidato e eleitor para a cadeia por 4 anos

O Código Eleitoral prevê pena de prisão de até quatro anos para aqueles que oferecem ou prometem alguma quantia ou bens em troca de votos, mas também para o eleitor que receber ou solicitar dinheiro ou qualquer outra vantagem, para si ou para outra pessoa.

O candidato que é flagrado comprando votos também é punido com a cassação do registro ou do diploma do candidato e multa. Com as mudanças feitas pela Lei da Ficha Limpa (LC nº 135/2010), o candidato também fica inelegível por oito anos.

*Com informações do repórter Tiago Muniz

Continue Lendo
Publicidade

Política

Mais de 15 mil canguçuenses ainda não fizeram o cadastramento biométrico

Publicado

em

Foto: Facebook/Reprodução

O Cartório Eleitoral de Canguçu está realizando o cadastro biométrico para os eleitores que ainda não estão com o seu título atualizado.

A revisão é obrigatória e será realizada até março do ano que vem. Os eleitores que não comparecerem dentro deste prazo terão os seus títulos cancelados e não poderão votar no pleito eleitoral municipal.

Segundo os números do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao total, Canguçu possui 44.102 eleitores e cerca de 15 mil ainda não efetivaram a coleta biométrica.  O percentual que gira em torno de 63% ainda é abaixo do esperado.

A coleta é realizada de forma simples e rápida. É necessário que o eleitor leve o comprovante de residência atualizado (validade de até 3 meses), documento de identidade e o certificado de alistamento militar, para homens com mais de 18 anos.

O horário de funcionamento do Cartório Eleitoral é das 10 às 17 horas, sem fechar ao meio dia. Para evitar filas, é possível agendar um horário através do site do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), clicando aqui.

Continue Lendo

Destaques da Semana

Copyright © 2019 — Jornal Canguçu Notícia LTDA