Fique bem informado com o JCN:

Educação

Alunos da Escola Santa Maria recebem palestra sobre o tráfico de drogas em Canguçu

Publicado

em

Foto: Polícia Civil

A Polícia Civil, na manhã desta quarta-feira (26/09), através da delegada Lisiane Moraes Mattarredona e dos agentes policiais da Delegacia de Canguçu, palestraram na escola Santa Maria, localizada no Passo do Valadão/1°Distrito.

Dentre os tópicos abordados, apontam-se os riscos do consumo de drogas lícitas e ilícitas bem como a atuação da Polícia Civil no combate aos crimes ligados a tráfico de drogas na região. Ainda, tratou-se sobre a relação dos entorpecentes com demais crimes, tais quais, homicídios, roubos, furtos, receptação e violência doméstica e familiar.

Além disso, os temas de violência doméstica, bullying e maus tratos foram debatidos. Os alunos entre 10 a 18 anos participaram da palestra, tirando dúvidas sobre os assuntos.

O objetivo da ação foi demonstrar como a Polícia Civil atua no município, com o intuito de conscientizar sobre o perigo de ingressar nas atividades delituosas, vez que a juventude é o grupo mais suscetível ao vício.

A Delegada Lisiane Mattarredona ressaltou que a Polícia Civil está atenta e atuante no combate à criminalidade no município e colocou a Delegacia de Canguçu à disposição da população.

Canguçu Notícia, com informações da Polícia Civil

Educação

Projeto incentiva a leitura e a escrita no Presídio Estadual de Canguçu

Publicado

em

Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução

O hábito da leitura não está entre os mais populares em nosso país. Algumas pesquisas apontam que cada brasileiro lê menos de cinco livros por ano.

Essa média começa a mudar radicalmente em um lugar onde a maior parte das pessoas não prevê: dentro dos presídios. Nas palavras, os presidiários encontram alternativas para viver o mundo cercado por muros.

No Presídio Estadual de Canguçu, um projeto intitulado Remissão pela Leitura, coordenado pela psicóloga Júlia Fugita e pela professora Laura Storch Coutinho, aproximará os apenados das páginas dos livros.

O projeto voluntário teve início nas últimas semanas, utilizando as novas dependências do Presidio, chamado de sala multiuso. Nesta primeira fase, 11 apenados aceitaram o convite para participarem do projeto.

O primeiro dia foi muito gratificante, pois estou em sala de aula com alunos fazendo leitura. — explica a professora Laura Storch.

Segundo ela, o projeto tem uma duração de 12 meses. A cada mês, os participantes deverão entregar uma redação sobre o livro lido.

Laura explica que os livros são separados conforme a escolaridade, uma vez que o presídio comporta pessoas com diferentes níveis de instrução. “Tenho separado livros que sejam positivos para eles”, explica a professora apontando Augusto Cury como um dos autores escolhidos.

Orgulhosa dos alunos, a professora conta que realiza o trabalho com muito amor e que está habituada ao local.

Eu já trabalhei em 2013 com o Brasil Alfabetizado no presídio. São 17 anos em regência de classe, só estou em um lugar diferente da escola! O que me motiva é o amor ao próximo. Se não sei servir, para que sirvo? — completa Laura.

Continue Lendo
Publicidade
”GaudinosBurgers”/
”GSSinuelo”/
Publicidade
”Whatsapp”/

Destaques da Semana

Copyright © 2019 — Jornal Canguçu Notícia LTDA