Fique bem informado com o JCN:

Educação

Aula inaugural do programa Novos Rurais mobiliza ETEC

Publicado

em

Foi com o auditório repleto de alunos, familiares e educadores que ocorreu a aula inaugural do Novos Rurais na Escola Técnica Estadual de Canguçu (ETEC) no dia 25 de abril.

A cerimônia teve início com a exibição do mini-documentário do programa, que conta a história de cinco jovens que tiveram suas vidas transformadas pela iniciativa e hoje são empreendedores de sucesso no campo.

Em seguida, o especialista de Projetos Sociais do Instituto Souza Cruz, Marcos Gaspar, apresentou a metodologia do Novos Rurais e os resultados da parceria de cinco anos entre as instituições.

Por fim, os 21 jovens que participaram do programa em 2017 apresentaram seus empreendimentos.  Entre os novos negócios, estão a aquisição de um drone para monitoramento da propriedade e prestação de serviços para a comunidade, produção de mel, doma e treinamento de equinos, oficina agrícola, artesanato em couro, mudas, entre outros.

A primeira fase do módulo de formação do Novos Rurais terá início ainda no mês de abril e a seleção de projetos está prevista para ser realizada no mês de julho.

Em cinco anos, o programa Novos Rurais já beneficiou mais de 3 mil jovens em 140 municípios. Foram 2.260 jovens formados, 34 escolas técnicas participantes, 746 projetos implantados, mais de 2 mil toneladas de alimentos produzidos e mais de R$ 21 milhões de geração de riqueza.

O Novos Rurais é reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (ONU-FAO) como uma boa prática para o Desenvolvimento Sustentável.

SOBRE O INSTITUTO SOUZA CRUZ 

O Instituto Souza Cruz é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, de abrangência nacional, fundada em julho de 2000, reconhecida pelo Ministério da Justiça como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP).

O Instituto acredita que, através de uma educação contextualizada, jovens bem qualificados produzirão inovações na agricultura, criando canais de comercialização e viabilizando o acesso a novos mercados; com capacidade de inserção em atividades rurais não agrícolas e nas novas profissões rurais.

 

Canguçu Notícia, com informações do Instituto Souza Cruz

Educação

Canguçuense é finalista em concurso nacional de design de mobiliário

Publicado

em

Finalista do Prêmio Salão Design, a aluna Canguçuense Caroline Reichow, do bacharelado em design, está representando o IFSul na categoria de desafios dos espaços em transformação. O resultado final será divulgado no dia 10 de fevereiro de 2020 e a cerimônia de premiação ocorre no dia 18 de março, em Bento Gonçalves.

Após uma série de pesquisas, desenhos, testes de dimensionamento e maquetes em escalas para testar encaixes e dimensões, Caroline chegou ao resultado desejado. Inspirado no origami e suas diversas possibilidades, o (des)Dobra foi pensado para guardar objetos variados e pode ser utilizado em qualquer ambiente da casa.

Com múltiplas possibilidades de configurações e montagens,  é um móvel modular e adaptável, que pode “crescer” de acordo com a necessidade de quem o utiliza. Em sua estética, apresenta uma base menor que o tampo, com laterais em diagonal e o lado de dentro colorido, uma tentativa de surpreender quem o abre.

“Acredito que meu projeto foi selecionado para a final porque é um móvel adaptável, que atende as necessidades dos espaços que estão em constante transformação. Além disso, possui uma estética diferenciada, pois não apresenta um lado de cima determinado, podendo ser rotacionado e utilizado em qualquer sentido”, conta.

Com grandes expectativas para o resultado, a estudante destaca que, além de trazer reconhecimento pessoal, a conquista é uma maneira de mostrar um pouco mais o que é desenvolvido no curso de design. “Perceber que o meu móvel despertou a atenção de pessoas que são referência na área já é um prêmio para mim”, afirma.

O projeto finalista foi desenvolvido na disciplina de Design de Mobiliário e Artefatos, ministrada pela professora Mariana Piccoli, que orientou os alunos durante o processo. O desafio proposto foi elaborar um produto a partir de um problema identificado e, com base nisso, realizar análises e aplicar diversas ferramentas do design.

O objetivo da proposta era possibilitar aos alunos maior contato com a realidade do cenário de mobiliário. Além da parte prática, os alunos realizarem uma atividade de análise dos produtos que já haviam sido premiados anteriormente no concurso, estudando os materiais e a inovação dos conceitos. Para organizar as etapas, a turma usou um sistema de gerenciamento dos projetos.

Pensando no problema que haviam identificado, iniciaram a definição do que seria projetado, para quem, como e por qual motivo, processo essencial no design. Com essas respostas, desenvolveram desenhos e buscaram inspirações estéticas que tornassem o produto mais visual. A última etapa consistiu no desenvolvimento dos móveis em tamanho real, que foram construídos na marcenaria do design com a ajuda de Manoel Joaquim Fernandes, marceneiro do IFSul.

Para Mariana, ter o curso representado nesta final é resultado de um trabalho conjunto de todos os professores, que vão desenvolvendo os fundamentos do design em várias disciplinas. “É uma maneira de confirmar que o trabalho está sendo realizado de forma adequada e que estamos sendo vistos. Essa final é a possibilidade de fazer novos contatos, ter um portfólio mais completo e interessante”, destaca.

Prêmio Salão Design

Promovido pelo Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis), o Prêmio Salão Design é um concurso brasileiro de design de mobiliário. O objetivo é incentivar a criatividade, o empreendedorismo e a inovação tecnológica, além de estimular a agregação de valor aos produtos por meio do design, como forma de melhoria da competitividade no mercado global.

Na primeira etapa eliminatória, a avaliação técnico-funcional levou em consideração critérios como forma e função do produto, ergonomia e segurança, materiais utilizados, tecnologia de produção e sustentabilidade. Para a etapa final, os selecionados devem enviar o produto em escala natural para ser avaliado pelos jurados até o dia 17 de janeiro. Nessa fase, serão analisados elementos estéticos e criativos utilizados para elaboração do projeto. Conceito, criatividade, originalidade, inovação, materiais utilizados e finalidade do produto serão os critérios de eliminação.

com informações do site IFSUL -RS

Continue Lendo

Destaques da Semana

Copyright © 2019 — Jornal Canguçu Notícia LTDA