Fique bem informado com o JCN:

Educação

Com corte de 30%, UFPel pode fechar as portas em setembro

Publicado

em

Foto: Facebook/Reprodução

Com um bloqueio de 30% do orçamento, estudantes, professores e trabalhadores lidam com a incerteza do que acontecerá após o mês de setembro.

A posição oficial da reitoria da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) é que , se não houver recuo por parte do governo na medida, a instituição deverá fechar suas portas em setembro deste ano.

Inicialmente o corte dos 30% atingiria a Universidade de Brasília (UnB), à Universidade Federal Fluminense (UFF) e à Universidade Federal da Bahia (Ufba), mas o MEC anunciou na noite da última terça-feira (30) que o corte seria, na verdade, para todas as universidades e institutos federais do Brasil.

Em nota, a UFPel afirmou que os cortes atingirão todas as categorias dos setores terceirizados, entre eles, a vigilância, as portarias, o restaurante universitário, os transportes e os serviços gerais prestados.

Outro setor de estrutura atingido pela medida seria o abastecimento de energia elétrica na instituição. Segundo a instituição, não haverá dinheiro suficiente para o pagamento da conta de luz.

Além disto, a universidade aponta que a medida atingirá diretamente as bolsas de pesquisa, ensino e extensão, prejudicando a sua existência.

Nas redes sociais, o reitor Pedro Rodrigues Curi Hallal argumentou que a instituição não tem margem orçamentária para a realização dos cortes e que por esse motivo, em setembro, a UFPel poderá ter suas portas fechadas.

Em seu perfil pessoal, Hallal emitiu uma nota sobre a preocupação da instituição. Confira alguns pontos:

” […] As Universidades Federais são um patrimônio da sociedade brasileira. Elas são responsáveis por 90% da produção científica do país, mesmo contando com apenas 20% dos alunos de ensino superior do Brasil. Só para citar um exemplo da UFPel, ajudamos a prevenir a morte de milhões de crianças no mundo por meio da descoberta de que a amamentação exclusiva até os seis meses de vida reduz o risco de morte infantil. Por essa descoberta científica, um professor nosso é cotado para receber o Prêmio Nobel.”

O reitor criticou ainda a relação do Governo Federal, sob a administração de Jair Bolsonaro (PSL), com as universidades:

” […] Assim, comparar o custo de um aluno numa Universidade pública com aquele de uma creche não apenas demonstra desconhecimento, como também demonstra desonestidade intelectual. Não é razoável imaginar que instituições responsáveis por 90% da produção científica do país tenham o mesmo custo que outras com enfoque exclusivo no ensino. […] É inadmissível o ataque que as Universidades Federais vêm sofrendo recentemente por parte do Governo Federal e mais especificamente do Ministério da Educação. Nessa semana, nosso já apertado orçamento foi subtraído em 30%. Pior, o próprio Ministério da Educação informa, por meio de nota à imprensa, que, caso a Reforma da Previdência seja aprovada, o corte no orçamento pode ser revisto. “

Atualmente, a Universidade Federal de Pelotas dispõe de 96 cursos de graduação, sendo avaliados com notas 4 ou 5 nas avaliações do MEC, quatro unidades básicas de saúde,um hospital universitário e centenas de projetos de extensão.

O ministro Abraham Weintraub afirmou que o corte era “preventivo” e válido apenas para o segundo semestre. De acordo com nota do MEC, a medida poder ser revista caso o cenário econômico do país melhore e a reforma da previdência seja aprovada.

Educação

Canguçuense é finalista em concurso nacional de design de mobiliário

Publicado

em

Finalista do Prêmio Salão Design, a aluna Canguçuense Caroline Reichow, do bacharelado em design, está representando o IFSul na categoria de desafios dos espaços em transformação. O resultado final será divulgado no dia 10 de fevereiro de 2020 e a cerimônia de premiação ocorre no dia 18 de março, em Bento Gonçalves.

Após uma série de pesquisas, desenhos, testes de dimensionamento e maquetes em escalas para testar encaixes e dimensões, Caroline chegou ao resultado desejado. Inspirado no origami e suas diversas possibilidades, o (des)Dobra foi pensado para guardar objetos variados e pode ser utilizado em qualquer ambiente da casa.

Com múltiplas possibilidades de configurações e montagens,  é um móvel modular e adaptável, que pode “crescer” de acordo com a necessidade de quem o utiliza. Em sua estética, apresenta uma base menor que o tampo, com laterais em diagonal e o lado de dentro colorido, uma tentativa de surpreender quem o abre.

“Acredito que meu projeto foi selecionado para a final porque é um móvel adaptável, que atende as necessidades dos espaços que estão em constante transformação. Além disso, possui uma estética diferenciada, pois não apresenta um lado de cima determinado, podendo ser rotacionado e utilizado em qualquer sentido”, conta.

Com grandes expectativas para o resultado, a estudante destaca que, além de trazer reconhecimento pessoal, a conquista é uma maneira de mostrar um pouco mais o que é desenvolvido no curso de design. “Perceber que o meu móvel despertou a atenção de pessoas que são referência na área já é um prêmio para mim”, afirma.

O projeto finalista foi desenvolvido na disciplina de Design de Mobiliário e Artefatos, ministrada pela professora Mariana Piccoli, que orientou os alunos durante o processo. O desafio proposto foi elaborar um produto a partir de um problema identificado e, com base nisso, realizar análises e aplicar diversas ferramentas do design.

O objetivo da proposta era possibilitar aos alunos maior contato com a realidade do cenário de mobiliário. Além da parte prática, os alunos realizarem uma atividade de análise dos produtos que já haviam sido premiados anteriormente no concurso, estudando os materiais e a inovação dos conceitos. Para organizar as etapas, a turma usou um sistema de gerenciamento dos projetos.

Pensando no problema que haviam identificado, iniciaram a definição do que seria projetado, para quem, como e por qual motivo, processo essencial no design. Com essas respostas, desenvolveram desenhos e buscaram inspirações estéticas que tornassem o produto mais visual. A última etapa consistiu no desenvolvimento dos móveis em tamanho real, que foram construídos na marcenaria do design com a ajuda de Manoel Joaquim Fernandes, marceneiro do IFSul.

Para Mariana, ter o curso representado nesta final é resultado de um trabalho conjunto de todos os professores, que vão desenvolvendo os fundamentos do design em várias disciplinas. “É uma maneira de confirmar que o trabalho está sendo realizado de forma adequada e que estamos sendo vistos. Essa final é a possibilidade de fazer novos contatos, ter um portfólio mais completo e interessante”, destaca.

Prêmio Salão Design

Promovido pelo Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis), o Prêmio Salão Design é um concurso brasileiro de design de mobiliário. O objetivo é incentivar a criatividade, o empreendedorismo e a inovação tecnológica, além de estimular a agregação de valor aos produtos por meio do design, como forma de melhoria da competitividade no mercado global.

Na primeira etapa eliminatória, a avaliação técnico-funcional levou em consideração critérios como forma e função do produto, ergonomia e segurança, materiais utilizados, tecnologia de produção e sustentabilidade. Para a etapa final, os selecionados devem enviar o produto em escala natural para ser avaliado pelos jurados até o dia 17 de janeiro. Nessa fase, serão analisados elementos estéticos e criativos utilizados para elaboração do projeto. Conceito, criatividade, originalidade, inovação, materiais utilizados e finalidade do produto serão os critérios de eliminação.

com informações do site IFSUL -RS

Continue Lendo

Destaques da Semana

Copyright © 2019 — Jornal Canguçu Notícia LTDA